5 séries incríveis sobre arquitetura e interiores na Netflix

Hoje em dia existe uma gama enorme de programas voltados para decoração, arquitetura, ambientações etc, tanto em canais abertos quanto fechados. O Discovery H&H e o GNT são campeões nessa categoria, sendo responsáveis por programas como Irmãos à Obra, Decora, Ame-a ou Deixe-a, Mais Cor, Por Favor e tantos outros. Mas a Netflix também tem disponível em seu catálogo vários programas bem bacanas para quem curte essa tema e eu resolvi fazer um top 5 dos melhores e mais imperdíveis que tem por lá.

Ps.: Vale salientar que, apesar da Netflix ter liberado as 2 primeiras temporadas de Irmãos a Obra, não considerei o programa nesse top 5, visto que é o melhor programa de todos e deixa todos no chinelo já é um programa bem popular.

Vamo lá?!

Nº 5 –  The Great Interior Design Challenge

The Great Interior Design Challenge é uma competição anual de design de interiores transmitida pela BBC. A série tem como objetivo encontrar os melhores designers de interiores da Grã-Bretanha e a cada episódio os concorrentes são desafiados a colocar sua criatividade e sabedoria em prática reformando algum cômodo.

O bacana é que cada episódio introduz um novo local com arquitetura distinta, o que lhe faz descobrir um pouco mais sobre a arquitetura da Inglaterra, e se concentra em alguns participantes por vez. Os concorrentes tem um desafio principal: reformar um determinado ambiente, de acordo com as particularidades de cada dono (sim, são casas reais), onde contam com a ajuda de uma pequena equipe. E em meio a tinta, estofados, tecidos, etc, eles recebem uma outra missão, onde podem escolher itens de sucata para transformar em algo novo a ser usado na nova ambientação do espaço reformado.

Tratam-se de pessoas comuns, com empregos às vezes até bem distante de arquitetura e interiores, mas com muito talento e criatividade. O clima de competição também traz uma emoção a cada episódio, pois você vai sempre escolhendo e/ou se identificando com alguns e torcendo por eles.

Nº 4 – Incríveis por Dentro (Amazing Interiors)

Embora pareçam completamente convencionais vistas por fora, as casas mostradas nessa série tem os interiores mais incomuns e surpreendentes possíveis. Casa-aquário, casa-circo, casa de bonecas, casa-bar com temática de beisebol… O que as residências têm em comum é o fato de que elas refletem, na sua excentricidade, as maiores paixões de seus donos — o que transparece na decoração nas mais diversas formas. Os exemplos são vários: uma família que decidiu construir sua própria montanha-russa no jardim, um cinéfilo que ama tanto filmes de terror que mora no cenário de um, um amante de carros que decidiu viver em uma oficina, uma mulher que decidiu usar e viver em uma casa apenas com itens cor-de-rosa (inclusive foi tema desse post aqui), entre outros.

Os episódios da série também abordam projetos que vão além da decoração de interiores. É o caso de uma família que decidiu construir um hangar para “acoplar” sua casa original. Outro exemplo é um morador da cidade de Essex, na Inglaterra, que gastou mais de 1 milhão de libras durante 25 anos para construir uma casa em que cada um dos 13 quartos refletisse um período diferente da história. Mas nem só de loucuras é feito o roteiro da série. Vários projetos são, sim, inusitados, mas outros são perfeitamente normais e habitáveis, embora extremamente caros, como o caso do casal Dino e Marianne, que transformou um galpão em decadência no topo de um prédio dos anos 1960 em um centro de luxo e sofisticação.

A série conta com 12 episódios com duração de meia hora. Cada episódio mostra a história de três projetos excêntricos e seus respectivos donos e você, naturalmente vai avaliando o que considera ser muito louco ou relativamente habitável. Algumas casas eu adoraria visitar, talvez até alugar por temporada em um Airbnb da vida, mas absolutamente não conseguiria viver com aquilo diariamente.

Nº 3 – Instant Hotel 

Instant Hotel é um reality show australiano apresentado por Luke Jacobz (The X factor Austrália) que consiste numa competição entre 10 duplas responsáveis por 10 casas na Austrália disponíveis para aluguel por temporada. A cada episódio as duplas se hospedarão em uma casa e deverão avaliar, eles próprios, a sua estadia divida entre quatro quesitos: casa, localização e atrações próximas, custo benefício e noite de sono. A primeira temporada da série foi dividida em duas fases, cada uma com cinco duplas competindo entre si para depois uma disputa final entre os dois vencedores de cada etapa pelo título de melhor “hotel instantâneo” e uma viagem para a Califórnia.

O interessante desse programa é que são pessoas comuns, com casas comuns e gostos totalmente diferentes uns dos outros, tanto em relação à decoração e ambientação, como em questão de lazer. Além das avaliações entre os competidores, a designer de interiores  e jurada oficial do programa, Juliet Ashworth, faz sua avaliação pessoal, bem como dá dicas do que pode ser melhorado em cada ambiente.

Por se tratar de uma competição, em alguns momentos nos deparamos com desentendimentos e até injustiças cometidas, a começar pelo próprio processo de avaliação, que é totalmente aberto e mal executado, uma vez que você pode avaliar como ruim uma casa, apenas na intenção de baixar a nota dos seus competidores e subir a sua.

Nº 2 –  As Casas Mais Extraordinárias do Mundo ( The World’s Most Extraordinary Homes)

Os amantes de arquitetura vão se esbaldar nessa série, pois os apresentadores Piers Taylor (arquiteto) e Caroline Quentin (atriz britânica) nos levam numa viagem ao redor do mundo em busca das casas mais incríveis, mostrando seu interior, exterior e processos criativos e construtivos.

Com tom informal e belas fotografias, a dupla de apresentadores entra nas residências como amigos sendo recebidos para uma visita, uma oportunidade única de percorrer as nuances de cada estrutura. O mais legal é que a cada visita, eles tem a oportunidade de conversar tanto com os donos, quanto com os arquitetos responsáveis por sua criação, o que dá um toque ainda mais completo e explicativo a cada obra.

A primeira temporada foi divida em temas, sendo eles montanha, floresta, litoral e subterrâneo, enquanto a segunda parte foi divida entre países e ao longo dos episódios conhecemos estruturas realmente incríveis, muitas vezes sendo construídas em lugares complicados e até perigosos, algumas obrar levando mais de 4 anos para serem terminadas. Outra coisa bacana é observar as diferenças de estrutura, costumes e até gostos pessoais de povos de diferentes países.

Nº 1 – Reforme na Baixa, Fature na Alta (Stay Here)

Com o crescimento do aluguel de casas por temporada e o surgimento de agências especializadas nisso como Airbnb e GoHouse, onde os locatários são constantemente avaliados, é natural que os proprietários se importem cada vez mais com as instalações de seus espaços. Com foco nesse tipo de negócio, o Programa Reforme na Baixa, Fature na Alta conta como uma designer de interiores (Genevieve Gorder) e um especialista em mercado imobiliário (Peter Lorimer) para ajudar os proprietários a oferecer a melhor experiência para seus futuros locatários.

O mais legal desse programa é que não se trata, apenas, da reforma de um ambiente – embora as dicas da Genevive sejam extremamente válidas e preciosas – mas sim, porque eles tem atenção a todos os detalhes necessários para se destacar quando o assunto é casa de aluguel: analisam os valores de casas na mesma área, visitam, junto com os proprietários, restaurantes, cafés e outros lugares do tipo para ajudar os proprietários a estarem aptos a sugerir todo tipo de experiência que o locatário possa vir a querer, bem como dicas de como recebê-los melhor, como, por exemplo, deixar uma cesta com produtos locais, números de delivery de comida, etc, levam um fotógrafo profissional para fotografar a casa depois de receber a reforma da designer para que essas fotos sejam usadas nos sites de aluguel e consigam se destacar das demais opções.

A cada episódio, eles tratam exclusivamente de um imóvel diferente, que, de início, não parecem ser tão aptos a receber turistas, mas que com as dicas dos especialistas aplicadas, se tornam propriedades atraentes, confortáveis, e verdadeiras “máquinas” de aluguel por temporada.

Azulejos de metrô – a tendência que veio para ficar

Se você teve acesso a qualquer revista, site, blog ou instagram de decoração de interiores nos, pelo menos, últimos 24 meses, então deve ter notado em  todos vários ambientes a presença dos famosos “Metro White” nas paredes da cozinha ou banheiro. O nome tem inspiração nos azulejos das estações de trens e metrôs de grandes metrópoles mundiais, e tem ganhado o coração dos amantes de decoração já há algum tempo, desde que a tendência começou a se popularizar.

Com boa funcionalidade em ambientes molhados, o Metro White tem ganhado espaço nos banheiros e cozinhas de quem deseja fugir das tradicionais cerâmicas quadradas e incorporar um estilo mais industrial ao ambiente. As formas de distribuição desses tijolinhos nas paredes podem variar entre vertical, horizontal,  em L e como mais você quiser – e qualquer uma delas inspira menos formalidade, mais modernidade e um ar retrô ao ambiente.

Apesar do nome popular, não é apenas na cor branca que os azulejinhos podem ser encontrados. Preto, cinza, rosa, amarelo… São diversas as opções de cores e de rejunte que você pode escolher e todas igualmente lindas!