Mimar Coletivo Bazar

foto 1 (2)

Hoje aconteceu o primeiro de muitos bazares organizados pelo Mimar Coletivo. O evento foi realizado por Raynnara Lima, estudante de Administração com ênfase em Marketing em Moda,  que teve a ideia do coletivo como trabalho de conclusão de curso e resolveu tirar do papel esse projeto bacana surgindo, assim, o bazar. O Mimar Coletivo Bazar contou, em sua primeira edição, com a presença de algumas marcas autorais de moda, design e gastronomia num ambiente super aconchegante, o que resultou numa tarde deliciosa. Eu, que fui apenas pra conferir tudo de perto, acabei saindo de lá com meu presente de Dia das Mães e com vontade de ter levado mais coisa! E tinha para todos os gostos: Jardim 53 e Circorama com peças di-vi-nas e super exclusivas para as meninas, Severino com camisetas ba-pho-ni-cas para os meninos e It’s Denim com jeans lindos (depois mostro a saia perfeita que comprei) foram algumas das marcas de roupa que estavam marcando presença lá. Para atiçar o paladar, tinha guloseimas saudáveis de Alfredo Candido Gourmet e os deliciosos brownie da Negro Brownie, em sua linda bike (retrô) food. Tudo isso aconteceu no Cafofo Café, que ainda não tem data certa para começar a funcionar, mas já deu pra ver que vai ser um point super fofo. Já estou aqui na expectativa para a segunda edição desse coletivo.

foto 1 foto 2 (2) foto 2 foto 3 (2) foto 4 (2) foto 4 foto 5 (2) foto 5 foto 1 (1) foto 2 (1) foto 3 (1)

 

Amor X Jogo

ff34b42ef90bb6c3e897ba6a50bbb860

Eu tinha 12 anos quando levei meu primeiro fora. Descobri, por intermédio de um amigo em comum, que o menino que eu gostava também gostava de mim. Sabendo disso e percebendo que nada tinha acontecido ainda, fui falar com o menino, claro. Me parecia uma ótima ideia naquele momento: eu sabia sobre o sentimento dele por mim, ele ficaria sabendo sobre o meu e então poderíamos resolver a situação.  Mas nem preciso dizer que a história foi bem diferente, né? Cara a cara comigo, o menino em questão negou ter qualquer sentimento sobre a pessoa que aqui escreve e todo o diálogo que eu pensava que ia ter, foi por água abaixo. Se ele não gostava de mim, não tinha muito o que fazer. Segui em frente. Mas o que aconteceu em frente foi que me deixou bem confusa.

Em momento nenhum tive vergonha da minha atitude. Sempre fui curiosa e esse foi só mais um caso onde eu fui matar a minha curiosidade. Continuei o encarando de frente, falando com ele normalmente e lidando muito bem com a situação para uma menina de 12 anos. Me aproximei naturalmente das meninas da turma dele – ele era um ano mais velho e uma série a mais que eu na escola – e dos meninos também. Tudo na maior amizade e na maior inocência, claro. Mas aquele ato de não ligar, não sofrer, não tratar ele diferente e, em resumo, não gostar mais dele, fez com que aquele sentimento negado por ele, aparecesse. Para a minha surpresa, esse menino começou a ficar na minha cola. Sorria, implicava e brincava mais comigo do que o “normal”. Mas ao contrário de mim, ele nunca me puxava pra conversar. Num dia de São João, o esperado aconteceu. Entre uma dança e outra, o menino teve a coragem de me tascar um beijo. Foi uma noite linda e mágica, seguida de uma sensação de dúvidas. Primeiro eu não gostava dele e ele (dizia) não gostava de mim. Então, quando eu não gostava mais dele, ele resolveu gostar de mim. E, por fim, quando eu finalmente consegui o que quis por tanto tempo, nunca mais quis saber dele, nem tampouco me interessei em saber se ele ainda queria saber de mim.

Esse foi um caso que passou despercebido por mim, ainda na pré-adolescência, mas muito lembrado a cada rolinho que eu tinha, ou histórias de “amor” mal resolvidas que eu ouvia de amigas.  Eu, apesar de muito fechada, sempre fui muito sincera. Não fingia não gostar se gostasse, e nem tampouco fingia gostar se não gostasse de jeito nenhum. Sempre fui aberta quanto aos meus sentimentos e, óbvio, esperava receber o mesmo em troca. Isso nem sempre acontecia e não foi por falta de aviso. Desde quando o meu maior guru era a revista Capricho até os dias de hoje, com outros meios de comunicação e amizades com diversos tipos de pessoas, continuo sendo alertada de dicas de conquista. De como fingir que não ta a fim, não falar o que sente vontade, na hora que tem vontade, do jeito que tem vontade. Pensando bem, antes mesmo de eu pensar em relacionamento amoroso, esse conselho já era esfregado na minha cara em forma de filmes. Afinal, se Cinderela não tivesse ido embora de meia noite da festa, saído sem nem dizer o nome e deixado o príncipe com gostinho de quero mais, talvez o enredo do filme tivesse sido bem diferente, né?

Esses dias vi um vídeo do canal Porta dos Fundos que me deixou bem pensativa. Entre risadas e identificações, eu comecei a pensar o quanto de verdade tinha naquela historinha engraçada, praticamente uma versão mais escrota do que o que Cinderela nos tentou ensinar. Por algumas experiências próprias ao longo dos anos, pude comprovar que todo esse jogo da conquista realmente funciona. Se você quer seduzir aquele boy magia, saia de cima, trate-o com indiferença, visualize suas mensagens no whatsapp e responda três dias depois dizendo que demorou porque estava tomando banho. Quando ele lhe convidar pra sair, aceite e depois diga que não pode ir. Não tenha medo, pois com isso ele vai lhe convidar até pra ir pro aniversário do cachorro do primo dele. Sim, todos os conselhos sutis das revistas adolescentes que eu lia estavam certos.

Mas eu, teimosa que sou, gosto de nadar contra a maré. Dicas e experiências à parte, devo confessar que, quando eu realmente quero alguma coisa, continuo tomando a mesma atitude que tive aos 12 anos. Talvez um pouco menos esperançosa, menos empolgada, menos direta, mas sempre sincera. Jogos podem ser até divertidos por um tempo, mas tem hora que a realidade te puxa e você mergulha de cabeça, sem paraquedas. E dessa forma, vai por mim, é bem mais gostosa.

Jaci Sales, que está adorando a solteirice sem compromisso, mas que lembra como é e confessa adorar estar apaixonada.