Botão ‘teimosia’: ativar!

d3fd1308e97eb75e8a1ebdb8f598111d

Você acha que com o passar dos anos e algumas experiências mal sucedidas colecionadas você vai ficar mais sábio, mais esperto e mais tolerante a certas situações, até que você se depara com aquele momento em que sente a deixa para fugir mas, ainda assim, você insiste em ficar? Parabéns pela teimosia!

Pessoas assim tem um botãozinho vermelho, que deve ficar em algum lugar do cérebro, mas quem controla mesmo é o coração. Em situações de risco, aquele botão “PERIGO” é ativado e você sabe muito bem o que deve fazer mas, alguns segundos depois, o botão “TEIMOSIA” também é ativado, fazendo você ficar naquele dilema interno, sem saber se segue o caminho da paz, flores e pássaros cantantes ou aquele, do lado, onde tudo é tão misterioso e você está morrendo de curiosidade para saber o que vai encontrar. E é claro que você opta pela segunda opção.

 Teimo em dizer que nós podemos ser considerados insistentes, muito mais do que teimosos. Insistimos em arriscar, em tentar, em insistir, mesmo desconfiando – pra não dizer tendo certeza – de como será o fim. Sim, nós lemos os avisos. Sim, nós sabemos que a estrada pode dar num precipício de metros de altura. Sim, sabemos que podemos cair e nos machucar. Mas a verdade é que cada estrada é diferente. Em cada viagem vemos paisagens diferentes, conhecemos culturas diferentes e, mesmo que voltemos sozinhos pra casa, aquela experiência vai ser válida.

Ignorar o botão “teimosia” é ignorar a oportunidade de sair da linha, de viver e até, quem sabe, se surpreender.  A certeza do seguro pode até ser tentadora, mas perder a chance de se jogar, se divertir, se amar, mesmo que tu quebre a cara depois? Não. Pessoas teimosas nunca irão aprender!

Hello, stranger!

Datilografar

De todas as minhas grandes paixões, escrever sempre foi, de longe, a maior delas. Sempre gostei de fazer redações nos tempos de escola, escrever diários quando menina e até grandes folhas de caderno, que eram rasgadas depois. Escrever sempre foi meu refúgio, minha melhor forma de expressão.

Com o boom das redes sociais, me atrevi, por muitas vezes, a divulgar minhas palavras e me surpreendi ao ver que foram bem recebidas. Ver o quanto as pessoas se identificavam com meus textos e ouvir incentivos para que os fizesse mais faziam meus olhinhos brilharem, deixando um sorriso tímido escapar no canto da boca.

Mas, pra ser bem sincera, escrever nunca foi a minha única paixão. Sendo ainda mais sincera, posso dizer que sempre fui uma pessoa de grandes paixões, sem me decidir com qual delas eu seguiria até ~o fim da vida~. Fotografia, cinema (e séries), decoração, confeitaria, astrologia, psicologia… Com tanto amor pra dar, como eu poderia escolher uma área só? E eis que surgiu a ideia do blog!

Relutei por um tempinho em criá-lo, afinal, com tantas opções na blogosfera, o que o meu teria de diferente? É, nada. Aqui você não vai encontrar nada que não tenha visto antes, lamento informar. Mas é o meu cantinho. Meu lugar pra falar do que eu gosto, mostrar minhas paixões, dividir minhas experiências e, se me permitir ser sonhadora, esperar que alguém se identifique e embarque junto.